Page images
PDF
EPUB

(Por augmentar e acabar, diz uma nota escripta pela propria letra de Antonio Ribeiro dos Santos; e o mesmo pode dizerse a respeito de quasi todos os manuscriptos, de que se compõe a Bibliotheca Riberiana: pelo que nos abstemos de indicar outros que ali encontramos.)

S 4.

COXSIDERAÇÕES ETHNOGRAPHIcas, COM REFERENCIA Á LINGUA PORTUGUEZA

In mores, in linguam, in jura, in ditionem cessere

romanam.

Inscrip Lapid.

Romanosque omnes fieri,
Quos Tagus aurisluens, quos magnus inundat Hiberus

AURELIUS PRUDENTIUS CLEMEN8.

Promettemos no artigo antecedente examinar algumas questões ethnographicas, que se enlação com o assumpto da filiação da nossa lingua. Damos hoje começo a essa tarefa.

Os leitores sabem já que o nosso proposito he.antes indicar as fontes de doutrina, do que escrever um Tratado ex professo; e por isso esperamos que nos desculpem a importunidade das innumeras citações, que fazemos, em attenção a natureza especial do nosso trabalho.

O Sr. S. Luiz concluiu de um certo numero de provas historicas, «que he difficil introduzir em um povo numeroso a total a mudança de linguagem, ou ainda alterar as suas formas carac« teristicas; e por outro lado, considerando que todos os philo«sophos reconhecem a intima e essencial ligação que tem a lina guagem com o pensamento, e a fórma externa do discurso com ao quadro interno das ideas, de que elle é a expressão », concluiu que se lhe affigurava impossivel, não só difficil

, a mudança total da linguagem antiga portugueza para a latina, ou (o que vem a ser o mesmo) o total esquecimento e abandono da primeira para adoptar a segunda.

He, porém, certo que os factos historicos, os principios ethnographicos, e o sentir de mui competentes philologicos, contrarião inteiramente estas asserções.

Um profundo philologo, M. Bonamy, em uma Memoria in

prolizerпрое itros

(

[ocr errors]
[merged small][ocr errors][ocr errors]

serta no 24.° vol. das da Academia das Inscripções, exprime-se d'este modo: «Les Romains, après avoir fait la conquête des «Gaules, y introduisirent aussi l'usage de la langue Latine. «C'était un des principes de la politique de ce peuple d'imposer a aux Nations vaincues, qu'il appellait barbares, l'obligation de parler sa Langue, après leur avoir imposé celle de lui obéir. «—Opera data est, dit St. Augustin ' ut imperiosa civitas non

1 « solum jugum, verum etiam linguam suam domitis gentibus per « pacem sociatis impeneret.—J'ai dit les Nations barbares, pour « les distinguer de celles qui parlaient la Langue Grecque; cela les-ci conservèrent toujours l'usage de leur langue, quoique les a magistrats Romains se fussent fait un devoir, même des temps « de la République, de ne leur répondre dans la même Langue, a lors même que ces magistrats entendaient le Grec.— Illud a quoque magna perseverantia custodiebant ne Græcis unquam a nisi Latine responsa darent, quin etiam... por interpretem loaqui cogebant, non in urbe tantum nostra, se etiam in Græcia « et Asia. Quo scilicet Latinæ vocis honos per omnes gentes ve( nerabilior diffunderetur.» 2

E a pag. 592 diz: «La splendeur de Rome, l'étendue de son a empire, les actions brillantes des Romains, leurs loix si sages « et si sensées, cet ordre admirable pour la police qui régnait «dans tous les ordres de l'état, ces dépenses immenses, non seu« lement pour la décoration des villes, mais encore pour l'utilité

publique, comme les aqueducs et les grands chemins qui tra« versaient tout l'empire, (poderia accrescentar=e as magnifia cas pontes e outras muitas obras=) tout cela était bien capa« ble de faire impression sur des hommes tels que les Gaulois, , « propres à sentir et à admirer ce qui était vraiment grand.»

E com effeito, já em tempo de Aulo-Gellio os hispano-romanos consideravão como sua a lingua latina. O famoso author das Noites Atticas refere no Liv. 19, cap. 9, uma anecdota litteraria, que põe na maior evidencia esta verdade.—Um mancebo da Asia, nobre, rico e folgazão, reuniu em um banquete, para festejar os seus annos, os seus amigos e mestres, entre os quaes estava tambem Antonio Juliano, hespanhol de nação, e distincto professor de eloquencia em Roma. Quando cessou o banquete, começarão alguns dos convidados a recitar versos de Anacreonte

[ocr errors][ocr errors]

a

1 De Civitate Dei, 1. 19, c. 1. 2 Valer. Max. I. 11, c. 2, n. 2.

[ocr errors]
[ocr errors]

e de Sapho, elegias de poetas contemporaneos, e canções amorosas, que muito deleitarão a assembléa. N'este enlevo, e assim excitados pelo enthusiasmo de tão prasenteiro passatempo, romperão alguns dos jovens gregos da sociedade em motejos a Juliano, chasqueando-o de barbaro e de rustico por haver nascido em Hespanha, e apodando a sua eloquencia com os epithetos de rabida e bulhenta (facundia rabida jurgioque), como destinada a exercitar uma lingua rude, inculta, sem graça, e sem amenidade. Perguntavão-lhe o que pensava elle a respeito de Ana.creonte, e de outros poetas gregos, e se por ventura os latinos havião feito versos tão correntes e deleitosos; e a tal ponto apurarão a paciencia do bom do rhetorico, que elle desafogou a sua indignação, acudindo irado pela honra da lingua latina, sua lingua nativa, como se tomasse a defeza da sua religião ou dos proprios lares, dizendo:=Devēra eu dar-me por vencido, e conceder-vos que nos levaes a palma n'este desperdicio das boas artes, por maneira que, assim como nos excedeis na boa disposição dos festejos, e no bem preparado das iguarias, igualmente vos avantajasseis nas poesias e canções. Porém, para que não nos condemneis, isto he, para que não condemneis o nome latino, como se tratasse de alguns rusticos, grosseiros e sem graça, rogo-vos não permittaes, etc.=

=«Tum ille pro Lingua Patria, tanquam pro aris, et focis animo irritato indignabundus: Cedere quidem, inquit, vobis debui, ut in tali asotia artium nos vinceretis, et sicut in voluptatibus cultus, atque victus, ita in cantilenarum quoque multis anteiretis. Sed ne nos, id est nomen latinum, tanquam profecto vastos quosdam et in subditos anaphrodisias condemnetis; permittite mihi, queso, opperire pallio caput, quod in quadum parum pudica orationem Socratem fecisse aiunt, et audite, ac discite, nostros quoque antiquiores, ante eos, quos nominastis, poetas amasios, ac Venereos fuisse. Tum resupinus capite convelato voce admodum quam suavi versus cecinit, etc. ) =

« Deste lugar se colige con claridad, diz Aldrete, qual fuese la lengua de España en aquel tiempo. Puês Antonio Juliano defendió por lengua patria de Espa`a la latina, y por tal la tuvieron los griegos, etc. (Liv. 1.°, cap. 20).»

Este argumento he muito ponderoso, e junto a consideração da necessidade que tinhão os povos de aprender a lingua dos illustres vencedores, quer para chegarem aos cargos, quer para poderem comprehender as determinações do soberano, o

qual só se exprimia em latim, quer para conversarem com os romanos das colonias, e com aquelles a quem os negocios do imperio ou os do commercio atrahião ás provincias; tudo isto habilita a concluir com Bonamy: « il n'est pas plus étonnant «que la langue latine soit devenue, au bout de quatre siècles, la alangue dominante dans les Gaules, que de la voir en usage «dans l'Afrique, et surtout en Espagne.»

Vejamos agora se a historia nos apresenta exemplos numerosos de nações que olvidarão a sua lingua e adoptarão outra; e se a ethnographia tem descoberto e admitte hoje alguma lei reguladora dessas mudanças, que perfeitamente explique este phenomeno linguistico.

Seguiremos nesta parte o que se lê no « Discurso Prelimipar da Introducção ao Atlas Ethnographico de M. Balbi, pag. 75 a 80.

1. Os gregos e os romanos fizerão desapparecer os numerosos idiomas que se fallavão na Europa meridional, e em uma parte da Europa central, tornando dominante a lingua latina durante o periodo do poder politico, e esplendor litterario de Roma.

2.° Os arabes fizerão desapparecer de uma grande parte da Asia occidental, da Africa septentrional e oriental, os idiomas dos indigenas, de sorte que o vasto territorio, onde outr'ora se fallou o hebreu, o phenicio, o persico, o syriaco, o chaldeu, o egypcio antigo, o egypcio moderno, e em parte o nubio, se está hoje fallando o arabe.

3.° São bem conhecidas as mudanças de idioma operadas pelos europeus na America do Sul e do Norte; devendo até notarse que um breve lapso de tempo basta para transformar os africanos escravos em inglezes, francezes e dinamarquezes, ou em hespanhoes, portuguezes e hollandezes.

4.° Os anglo-saxonios, e outros povos conquistadores que invadírão as ilhas britannicas, fizerão desapparecer de toda a Inglaterra, da maior parte da Escocia, e de mais de um terço da Irlanda, a lingua celtica, a qual foi substituida por uma lingua mesclada, proveniente da fusão dos povos que, em differentes epochas, dominarão n’aquelle archipelago.

5.° Os povos germanicos derão a sua lingua a um grande numero de nações slavas, que estanceavão ao Este e ao Sul do Danubio; e na segunda metade do seculo passado, os dragões hannoverianos forçárão os restos dos vendes de Lunebourg a dar de mão á sua lingua, e a adoptarem o allemão.

e

[ocr errors]

SE

6.° Mostra-nos a historia que os visigodos e os alanos perderão o nome e a lingua na Hespanha; aos osthrogodos e hérulos succedeu o mesmo na Italia; ao passo que os francos, os borguinhões, os lombardos, e os normandos mudão de lingua na França, na Borgonha, na Lombardia e na Normandia, paizes que aliás subjugão, e aos quaes communicão o seu nome. Os varégues, outro povo germanico, fundão o imperio russo, perdendo todavia a sua lingua, e tornando-se slavos.

[ocr errors][ocr errors][merged small][ocr errors][merged small]

Devêramos continuar a longa serie de exemplos que M. Balbi cita depois dos acima referidos, mas não convém alongar esta nossa mesquinha escriptura, e por isso remettemos os leitores para a citada obra, e damo-nos pressa em referir a conclusão que desses factos póde tirar-se.

« Julgamos util multiplicar estes exemplos, diz por fim M. Balbi, porque os factos que acabamos de expôr nos parecem sufficientes para o fim a que nos propozémos. Por mais extraordinários e contradictorios que pareção, nem por isso deixão de ter facil explicação aos olhos do philologo, que quer reflectir nas causas differentes que produzem este phenomeno ethnographico, com todas as anomalias que o acompanhão.»

Qual he pois esse principio de explicação ? Ei-lo aqui, nas proprias e originaes palavras de M. Balbi:

«Lorsque deux peuples, et par conséquent deux idiomes, se sont choqués, l'idiome le moins cultivé, le moins littéraire, s'est perdu en grande partie ou entièrement; car ce n'est pas

la conquête, la domination, qui introduit et maintient tel idiome dans telle contrée: c'est presque toujours la supériorité relative de l'idiome qui finit par le rendre dominant, soit qu'il appartienne au vainqueur, soit qu'il appartienne au vaincu.»

O author da Refutação não se esqueceu de apresentar esta doutrina de M. Balbi, e com toda a rasão conclue deste modo;

«Fazendo applicação deste principio incontestavel em linguistica aos hespanhoes e portuguezes, não pode duvidar-se que a lingua latina, só pela sua superioridade sobre os dialectos peninsulares, ainda independentemente da influencia religiosa e da legislação, devia a final acabar por absorve-los, e ficar dominando exclusivamente o paiz.)

E em demonstração do muito que erão affeiçoados ás lettras romanas os habitantes das Hespanhas, e para se avaliar a boa vontade com que por elles seria acolhida a lingua latina, fare

« PreviousContinue »