Page images
PDF
EPUB

D'entre os mortos surgiraõ Zuilos novos;

560

Seguira a inveja o merito qual sombra

Provando da substancia a realidade.

Genio invejado, he sol quando s'eclipsa;

565

O corpo que se opõe mostra quað pouco
A sua propria forma, iguala estoutra.
Quando esse sol potente os raios darda,
Vapôr atrahe, que os raios obscurece
Porem nuvens, o seu caminho adornaõ
Reflectem nova gloria, a luz se augmenta.

Favorecei o merito depressa,
Sede oprimeiro, pouco vale o aplauso
Quando: he forçado pella voz de todos.
E justiça somente, o exige cedo:
Pois tem curto durar, modernas rimas.

570

575

Ay de nos! ja fugio a idade d'oiro. Entao, dos Patriarcas o talento

Mil annos gloriosos excedia.

Da fama, que he segunda vida nossa
O comprimento he nullo; douze lustros

1

Our sons their fathers' failing language see,

And such as Chaucer is, sball Dryden be.

So when the faithful pencil has design'd

Some bright idea of the master's mind,

485

Where a new world leaps out at his command,

[blocks in formation]

In youth alone its empty praise we boast,
But soon the short-liv'd vanity is lost;

Like some fair flow'r the early spring supplies,

That gaily blooms, but ev’n in blooming dies.

He quando muito, o que ostentar podemos.

580

Nossos filhos, dos pais notað as faltas
Da lingua decadente; qual foi Chaucer
Será Driden, eos vates, que hoje escrevem.

Assim, quando o fiel pincel exprime,
D'alma de mestre, huma brilhante idea,

585

De que ressalta hum novo mundo, e surge

Quando elle ordena, prompta a natureza.

Ladonde as cores brandas bem unidas

Se fundem propriamente em luz e sombra,
E que os annos maduros a completaõ,
Que a figura a vivêr começa ouzada,

590

Traidoras cores a bella arte offendem

E a producçaõ brilhante murcha e morre.

Como outras coizas vaans, triste juizo!

Tu naõ pagas, a înveja que te segụe;

495

Quando mocos, teus premios vaõs nos tentað

Mas a breve vaidade cedo acaba,

Como a flor bella, que florece em mayo

E forecendo mesmo, em pompa morre.

What is this wit which must our cares employ? 500

The owner's wife that other men enjoy;

Then most our trouble still when most admir'd,

And still the more we give, the more requir’d;

Whose fame with pains we gain, but lose with ease,

Sure some to vex, but never all to please;

505

'Tis what the vicious fear, the virtuous shun;

By fools 'tis hated, and by knaves undone !

If wit so much froin ign’rance undergo,

Ah let not learning too commence its foe!

Of old, those met rewards who could excel,

510

And such were prais'd who but endeavour'd well:

Tho' triumphs were to gen’rals only due,

Crowns were reserv'd to grace the soldiers too.

Now, they who reach Parnassus' lofty crown

Employ their pains to spurn some others down; 515

And while self-love each jealous writer rules,

Contending wits become the sport of fools;

600

605

Que hes pois juizo, que taõ caro custas?
Hes origem de pêna ao proprietário
E somente de ti herdeiros gozao.
Mais nos perturbas, quanto mais te admirao
Tua fama se alcança com trabalho,
E facilmente a perde quem a alcança.
Dom, que a poucos agrada, e amuitos cança;
Que o vicio teme, e que a virtude evita,
O estupido aborrece, e que o mau, pérde.

Se os de juizo aos nescios tanto aturaõ
Naõ venhaõ nað os sabios perseguilos.

Dos antigos só premios conseguia.
Os d'excelencia grande; bem que louvem
Outros, que só tentáraõ conseguila,

Se aos generais se devem os triumphos

610

615

Crõas houve tað bem

para

os soldados. Hoje, os que ganhaõ, o alto do Parnaso

Trabalhaõ em fazer cahir os outros,

E em quanto a prezumpçaõ conduz a penna
De hum invejoso author, estas disputas

« PreviousContinue »